5 de dez de 2014

A tal música




Grata a Mirella Melo por compartilhar comigo esta música que me fez tão bem!

Descobri o motivo de tanto bem estar com esta música, é um Mantra, Mantra da Plenitude! ! !

4 de dez de 2014

Alinhamento



Hoje, uma aluna de Tarot me enviou sua "lição de casa", uma mensagem interpretada pelo tarot que postarei no Néctar Diário, mensagens diárias pelo Tarot. Junto enviou um link no qual continha a imagem que será associada a mensagem, era o link de um site de uma terapeuta corporal.

No site uma música tocava, ciclicamente. Essa música foi terapêutica para mim, alinhou todos os meus sentimentos, organizou minhas emoções, centrou minhas forças, uniu os últimos fortes e significativos acontecimentos em minha vida, tantas revelações, novos direcionamentos, novas decisões, apaziguamentos interiores e minha projeção de futuro. Futuro próximo, os próximos passos.

A música fez uma faxina e uma organização de tudo que vibrava em mim.

Me deu clareza. Acalmou a ansiedade da quantidade de sensações.

Não tem como saber, pelo site, que música é essa, de quem é, o nome, nada, escrevi para a pessoa, espero que me responda para guardar este presente trazido ao "acaso".

O efeito da música trouxe a maturidade de todas as experiências acumuladas e que ainda não estavam compreendidas, todas as orientações recebidas mas ainda não absorvidas.

Serenamente minhas certezas tomaram seus lugares em meu ser.

Minha percepção expandiu.

Me vi "por dentro". Sem a formação que me deram. Compreendi quem sou, reencontrei a essência de minha alma, libertei-me dos conceitos a mim atribuídos por outros.

Selou o caminho que escolhi a trilhar.

A compreensão da ressonância que me envolvi, que escolhi foi surpreendente.

Ouvi várias vezes, entrei no seu ciclo, seu círculo, permaneci na vibração circular.

Toda essa clareza não veio pela mente, veio pelos sentidos, provocados por esta música.

Não dá pra traduzir, nem precisa, a sensação basta, entendi tudo.

Tentar explicar mais irá estragar e fugir da beleza dos sentimentos.

Sentimentos, este quero guardar no âmago do meu coração, é muito especial, uma transição se completou no dia de hoje, tenha a clareza de que estou iniciando um novo ciclo, totalmente novo, um período que ficará marcado em minha vida.

Que a energia do Universo consagre essa força que se instala em mim nesse dia.
Que a Luz da Vida me guie em cada passo a partir desse momento.
Que minha Sabedoria Ancestral se instaure inteiramente no meu canal de poder.
Que a Mãe Terra me assista e provenha a prosperidade digna e generosa reservada a todos que a aceitem.
Que a sintonia com meu Grau se estabeleça.
Que nada atrapalhe ou impeça minha aproximação e apoderamento do meu Degrau.
Que o Sagrado Feminino que habita em mim me conduza na realização plena dos meus propósitos.
Que a Harmonia do meu Ser se estabeleça pelo Amor, pela Geração e pelo Conhecimento.
Que a minha condução seja pela Fé, Evolução e a Justiça.
Que a Lei Divina seja também a minha.

Imensa Gratidão a todos que me conduzem, me guardam, me protegem, apoiam, amparam e com tanto Amor me ensinam a viver e a cumprir a tudo o que me propus.

Que o Deus que habita em mim saúda o Deus que dá vida a tudo e a todos.

_/|\_

7 de out de 2014

O Resgate do Feminino Sagrado



Essa é minha trajetória também.
Querendo espaço, posicionamento na sociedade, no mercado de trabalho.
Existia uma pressão bem forte determinando como são as mulheres, como devem ser as mulheres, onde se colocar e como se portar.
Um ou alguns modelos foram estabelecidos e ganha mais mundo quem se adéqua aos modelos.
São mulheres reconhecidas aquelas que possuem comportamento semelhante ao masculino, porém com corpo de musa.
Nisso nos distanciamos tanto de nós mesmas, quanto já sofremos e nos envergonhamos com a menstruação, com as oscilações corporais e emocionais devido aos nossos ciclos?
Quanto já tentamos passar por cima de nossas necessidades para nos adequar?
Câncer de mama, de ovário, miomas, ciscos, nódulos aparecem excedendo nosso afastamento de nossa natureza.
Cansamos.
Desaceleramos e estamos a procura do nosso eu interior, da nossa essência feminina, voltando para a natureza, para as fases, reaprendendo e sim, buscando lá trás na história como se faz isso.
Agora queremos parir, queremos estar perto dos nossos filhos, não queremos filhos, queremos ficar solteiras, queremos outro tipo de relacionamento, o mesmo relacionamento mas mais verdadeiro agora, queremos chorar, gritar, nos defender, queremos não aceitar mais, queremos nos aceitar, nos reencontrar.
Não queremos mais que nos digam como devemos ser.
Adequação só se for a vida, a natureza.
Que venham dias melhores!

9 de set de 2014

foto Déborah Gérbera
Eu conheci o amor.
Amei. Amei profundamente.
Me entreguei cegamente a esse amor.
Eu fui esse amor, tanto, tanto que me perdi de mim mesma, até hoje não me encontrei de volta.
Esse amor foi tudo em minha vida, foi a minha vida.
Tão puro, sincero, visceral, entregue...e ingênuo...
Dizem que quando há sofrimento e apego não é amor, difícil acreditar que não era, o que seria o amor então?
Enchia meu peito, meus olhos, minha alma.
Sim, sempre houve sofrimento, acreditava que fazia parte, uma lapidação ao compartilhar vidas, essências.
Era pra sempre, até a velhice, até a morte, até a eternidade...
Gerou fruto, o mais belo fruto do Universo, uma Luz tão intensa e brilhante que chega a ser difícil compreender seu tamanho, sua extensão.
Era a prova do amor todo.
Entraves surgiram aos montes e como minaram o amor
Não dava pra acreditar, tanta obscuridade eu vi, tanto incompressível,
Percebi muitos pontos de dispersão, muitos...
Não era possível conter, era possível se iludir com imaginários reparos
Duas vidas carregam duas perspectivas, dois interesses, duas índoles
Por algum tempo caminham em paralelo mas sem perceber os caminhos se afastam, nesse momento o caráter faz a diferença
Impensável
Vínculos foram rompidos, a essência mútua desrespeitada, atropelada por diferentes intenções
Dizem que se diminui ou acaba não era amor
O que seria o amor então?
Um gostar ainda fica, mas amor...
Rompeu
Não seguiremos mais até a eternidade, e agora?
Senti a alma física pela dor, e doeu, pra caramba
Não pertencer?
Não importar?
Não interessar?
A surpresa na verdade é que não fazia mais sentido há muito tempo
E que surpresa!!!
Não havia mais diversão, troca, brilho, vontade
Vazio
Dor
Terremoto
Tsunami
Desabrigada
Caos
Há muito o que reconstruir, tanto que não pra saber por onde começar, como começar
O atordoamento é forte, complicado colocar um pé depois do outro, aliás se levantar é um desafio e tanto
Os sentidos não entendem o que houve


Ou não aceitam...
Mas não há outro caminho, não há, é a fase dos espinhos

Que a sanidade conduza a próxima etapa, segure minha mão, pq minha visão ainda tá turva...

Feliz aniversário...

26 de ago de 2014

Água de Rosas




A água de rosas é um produto natural que pode ser encontrado em farmácias de todos os tipos, mas também pode ser facilmente feito em casa. Veja como fazer água de rosas, um dos ingredientes de beleza mais tradicionais que tem ação adstringentetonificante e ainda ajuda a reduzir os poros.

Ingredientes:

Pétalas lavadas de 8 rosas, usamos a de cor amarela nesta receita (se forem compradas, devem ser livres de pesticida)
2 canecas de água fervendo

Modo de fazer

Coloque as pétalas (separadas uma por uma) em um recipiente de vidro resistente ao calor, adicione 2 canecas de água fervendo até que as pétalas sejam cobertas. Tampe o recipiente com um prato ou tampa, se possuir uma. Deixe repousar por 30 minutos. Em seguida, com a ajuda de um pano limpo e bem fininho (tipo uma fralda de tecido) coe a água. Despeje esta água numa embalagem de vidro com tampa e conserve na geladeira.
Você pode usar esta água em várias receitas de beleza e mesmo como um tônico depois de remover a maquiagem e antes de aplicar o hidratante para cuidar da pele antes de dormir! Dura até 1 semana na geladeira.

Fonte: http://lar-natural.com.br/

29 de jun de 2014

GASLIGHTING: Alguém está tentando fazer você enlouquecer?

Mais uma palavra para nosso Dicionário Feminista: GASLIGHTING

“De vez em quando eu penso em todas as vezes que você me ferrou, mas me fazia acreditar que era sempre algo que eu tinha feito”. Kimbra canta isso na música “Alguém que eu costumava conhecer” do Gotye. Na psicologia este fenômeno é chamado “Gaslighting”.
O Objetivo de quem promove este tipo de violência emocional é remover a credibilidade da parceira, atribuindo suas queixas e desconfianças a uma psicose, desta forma não só ela mesma vai crer que é louca, mas todos ao seu redor também. Gaslighting é usado para se referir a qualquer tentativa de fazer outra pessoa duvidar de seu senso de realidade.
O agressor levanta informações falsas com a intenção de causar duvida na vitima. A vitima passa a duvidar de suas próprias memórias, percepção e sanidade. As formas de apresentação desta agressão podem ser…
1-   A simples negação por um agressor que os incidentes abusivos anteriores já ocorreram;
2- A realização de acontecimentos bizarros por parte do agressor com a intenção de desorientar a vítima.
Gaslighting significa “fazer alguém enlouquecer”. E com esta tática de desmentir as memórias do outro, é bem fácil mesmo fazer isso, uma modalidade de culpabilização da vítima.
“Ele mentia patologicamente, parecia estar encenando com perfeição uma trama, e mesmo em situações que eu tinha certeza da verdade, enquanto ele tentava me convencer, eu chegava a acreditar nele e culpar-me por estar acusando ele, momento depois da conversa eu me sentia confusa, como se a minha verdade não fosse tão verdade, como se os fatos não provassem mais o que eu sabia”. (Eduarda)

“Enquanto eu o interpelava a respeito de uma situação de traição ele me disse que eu estava ficando doente de tanto ciúmes, que eu estava paranoica, que eu… estava enlouquecendo e precisava de ajuda psicológica urgentemente, comecei a achar que era verdade, que estava ficando louca. Não fosse alguns dias depois uma situação que comprovasse a traição dele, eu talvez estivesse ainda pensando que estava desequilibrada.”  (Eduarda)
Com certeza alguns leitores e leitoras ao ler este texto dirão: “Ah, mas isso não é especificamente uma violência machista”. Não, uma mulher pode fazer a mesma coisa, mas levando se em consideração a opressão machista sobre a mulher, quem esta em maior chance de ser vitima?
Em abril de 2012 surgiram denuncias de estupro contra militares nos Estados Unidos. Lembram se? Se não, podem ler aqui.
Uma das mulheres é Schroeder que relatou que um companheiro da Marinha a seguiu até o banheiro, em abril de 2002. Ela diz que, em seguida, ele deu um soco nela, arrancou as calças dela e a estuprou. Quando ela relatou o que aconteceu, a um oficial superior, ele rejeitou a alegação, dizendo: “Não venha reclamar para mim, se você teve sexo e mudou de ideia”.
Stephanie Schroeder, Anna Moore, Jenny McClendon e Panayiota Bertzikis foram às mulheres que levantaram as denuncias e para serem desacreditadas e com isso protegerem os homens que cometeram tal crime, foram diagnosticadas com transtorno de personalidade e consideradas inaptas para continuar no corpo de fuzileiros.
“Eu não sou louca, eu sou realmente normal.” (Schroeder)
“Lembro-me de pensar que isto este diagnóstico era um absurdo, completamente ridículo Como eu poderia ser emocionalmente instável? Estou perfeitamente lúcida, especialmente considerando tudo o que aconteceu”. (McClendon)

Percebam como esta prática é extremamente conveniente, desacreditar mulheres, catalogá-las através de diagnóstico de terem algum grau de psicose, e livrar se delas sem precisar ir a fundo às investigações e punição dos culpados, que “pasme”: São homens.
Robin Stern, autor de O Efeito Gaslight, diz que sinais de que você pode ser vitima de gaslighting incluem constantemente perguntar se a si mesmo “estou muito sensível?” Como relata Eduarda, “Todas as nossas brigas eu pensava comigo mesmo: ‘Devo estar de TPM.’ Por que no final de cada briga eu me culpava e achava que estava errada, ele sempre tinha razão”; Inventar desculpas para amigos e familiares para justificar os comportamentos do seu parceiro, outro sinal é a ausência da capacidade de tomar decisões sozinhas como relata Eduarda “Ele cuidava das finanças, meu salário ficava todo na mão dele, por que eu não acreditava que era capaz de gerir o meu próprio dinheiro, quando me empoderei e resolvi tomar de volta esta responsabilidade para mim ele fez chantagem dizendo que eu não confiava nele, foi muito difícil tomar de volta esta tarefa de gerir meu próprio salário, por que eu me sentia culpada, sentia que estava sendo ingrata com ele.”

Se você se reconhece nesta situação, procure ajuda de um profissional, Gaslighting é uma opressão poderosa, e não é fácil superá-la sozinha.
 *Eduarda é um nome fictício de uma seguidora que preferiu manter se anonima.
  1. Referência: Gass, G., & Nichols, W. (1988). Gaslighting: A síndrome marital Contemporânea Terapia de Família, 10 (1), 3-16 DOI: 10.1007/BF00922429
  2.  Rape victims say military labels them ‘crazy’ http://edition.cnn.com/2012/04/14/health/military-sexual-assaults-personality-disorder/index.html  
Origianal: http://feminismosemdemagogia.com.br/gaslighting-alguem-esta-tentando-fazer-voce-enlouquecer/