9 de set de 2014

foto Déborah Gérbera
Eu conheci o amor.
Amei. Amei profundamente.
Me entreguei cegamente a esse amor.
Eu fui esse amor, tanto, tanto que me perdi de mim mesma, até hoje não me encontrei de volta.
Esse amor foi tudo em minha vida, foi a minha vida.
Tão puro, sincero, visceral, entregue...e ingênuo...
Dizem que quando há sofrimento e apego não é amor, difícil acreditar que não era, o que seria o amor então?
Enchia meu peito, meus olhos, minha alma.
Sim, sempre houve sofrimento, acreditava que fazia parte, uma lapidação ao compartilhar vidas, essências.
Era pra sempre, até a velhice, até a morte, até a eternidade...
Gerou fruto, o mais belo fruto do Universo, uma Luz tão intensa e brilhante que chega a ser difícil compreender seu tamanho, sua extensão.
Era a prova do amor todo.
Entraves surgiram aos montes e como minaram o amor
Não dava pra acreditar, tanta obscuridade eu vi, tanto incompressível,
Percebi muitos pontos de dispersão, muitos...
Não era possível conter, era possível se iludir com imaginários reparos
Duas vidas carregam duas perspectivas, dois interesses, duas índoles
Por algum tempo caminham em paralelo mas sem perceber os caminhos se afastam, nesse momento o caráter faz a diferença
Impensável
Vínculos foram rompidos, a essência mútua desrespeitada, atropelada por diferentes intenções
Dizem que se diminui ou acaba não era amor
O que seria o amor então?
Um gostar ainda fica, mas amor...
Rompeu
Não seguiremos mais até a eternidade, e agora?
Senti a alma física pela dor, e doeu, pra caramba
Não pertencer?
Não importar?
Não interessar?
A surpresa na verdade é que não fazia mais sentido há muito tempo
E que surpresa!!!
Não havia mais diversão, troca, brilho, vontade
Vazio
Dor
Terremoto
Tsunami
Desabrigada
Caos
Há muito o que reconstruir, tanto que não pra saber por onde começar, como começar
O atordoamento é forte, complicado colocar um pé depois do outro, aliás se levantar é um desafio e tanto
Os sentidos não entendem o que houve


Ou não aceitam...
Mas não há outro caminho, não há, é a fase dos espinhos

Que a sanidade conduza a próxima etapa, segure minha mão, pq minha visão ainda tá turva...

Feliz aniversário...

Nenhum comentário: